EDP assina contrato de 76 milhões de euros para equipamentos para a barragem de Foz Tua

Lisboa, 17 de novembro de 2011

Consorcio garante incorporação nacional da ordem dos 45%

O contrato, no valor de 76 milhões de euros, compreende a totalidade das instalações e equipamentos da barragem, central e circuitos hidráulicos, envolvendo o fornecimento de dois grupos turbina-alternador reversíveis.

A barragem de Foz Tua faz parte do plano de investimentos do Grupo EDP, sendo o oitavo projeto que se encontra atualmente em construção. Este plano prevê o aumento da capacidade hídrica instalada em cerca de 3 500 MW, até ao final da década, envolvendo investimentos próximos dos 3.200 milhões de euros, e gerando cerca de 35.000 postos de trabalho diretos e indiretos. Dos contributos deste plano para a economia nacional, destaca-se a contribuição para a redução das importações de combustíveis, com impacto direto na balança de pagamentos de bens e serviços, e a redução de custos com emissões de CO2.

Garantida mais de 40% de incorporação nacional

Consciente da importância destes investimentos para a economia do País e em coerência com os princípios de desenvolvimento sustentável, a EDP e o Consórcio Adjudicatário assinam também um protocolo em que se comprometem a promover a participação da indústria portuguesa. O objetivo é atingir uma incorporação nacional da ordem dos 45%.

Efacec e SMM, Cabelte, Pemel, Oniram, Prozinco e Montaco são algumas das empresas portuguesas que estão previstas como fornecedores de importantes componentes e serviços deste projeto.

Relativamente ao Aproveitamento de Foz Tua:

O aproveitamento hidroelétrico de Foz Tua, situado no troço inferior do rio Tua, perto da sua confluência com o rio Douro, foi objeto do primeiro concurso público lançado pelo Instituto da Água (INAG), no âmbito do Plano Nacional de Barragens de Elevado Potencial Hidroelétrico (PNBEPH).

Iniciada a construção em abril passado, a barragem de Foz Tua tem a sua conclusão prevista para 2015, envolvendo um investimento da ordem dos 305 milhões de euros e criando cerca de 4 mil empregos diretos e indiretos.

O novo empreendimento será constituído por uma barragem em betão, do tipo abóbada, por uma central subterrânea com dois grupos reversíveis com uma potência total de 259 MW. Prevê-se uma produção bruta anual de 585 GWh.